Com aulas on-line, crianças passam mais tempo em frente às telas
Créditos: divulgação

 

Fazer intervalos e ajustar o brilho do monitor são algumas dicas de oftalmologistas

Ian tem 8 anos e descobriu que precisava de óculos para leitura recentemente. Para sua mãe, Gisele Pinna, antes da alfabetização não era possível notar a necessidade, mas com o processo de aprendizado das letras, ficou claro que o menino “via tudo embaçado”, como ele mesmo comenta. Ele é aluno do 2º ano do Ensino Fundamental Anos Iniciais do Colégio Marista Anjo da Guarda, em Curitiba.

Gisele, que é professora universitária e também passa muitas horas em frente às telas desde o começo da pandemia, sabe que os olhos podem sofrer se não houver os devidos cuidados. “Com o começo da alfabetização do Ian no ano passado, mesmo nas aulas remotas, ficou claro que ele precisava de lentes corretivas. As professoras nos ajudaram nesse processo e hoje, com os óculos, ele consegue prestar mais atenção nas aulas”, explica.

O oftalmologista do Hospital Marcelino Champagnat, Marco Túlio, orienta que apesar de não podermos escapar da telas, há como buscar o equilíbrio. O primeiro passo é estabelecer a rotina de criar intervalos: 10 minutos de alguma outra atividade para cada hora de aulas on-line, por exemplo, já ajuda a descansar a visão.

Veja dicas do especialista de como evitar problemas de visão nas aulas on-line:

- Cuide com o brilho da tela: é aconselhável reduzir o brilho da tela de laptops ou tablets para reduzir o cansaço visual. Além disso, é possível aumentar o contraste para uma melhor visualização. Esses ajustes podem ser feitos por meio das configurações do dispositivo.

- Regule a luz do ambiente: além de ajustar o brilho da tela, também é importante se certificar de que a iluminação é adequada para estudos on-line. A iluminação adequada reduz o brilho e torna mais fácil e confortável olhar para a tela.

- Piscar constantemente: o olho seco é causado por quem fica muito tempo na frente de telas em atividades que exigem concentração. “As pessoas esquecem de piscar e o filme lacrimal, uma fina camada de lágrima que unta a superfície ocular, fica desestabilizada. Com isso, se desenvolve o olho seco”, explica o oftalmologista. Então, quando estiver em frente às telas, é essencial lembrar de piscar. Para quando a questão se agrava, é aconselhável usar colírio de lágrima artificial, um hidratante ocular com composição semelhante ao da lágrima.

- Faça intervalos: é melhor não olhar para a tela continuamente. Mesmo quando não é possível fazer uma pausa para outra atividade – como no meio de uma aula, por exemplo, é possível fixar o olhar em outro lugar por apenas 10 a 20 segundos para reduzir o cansaço visual.

- Lentes podem ajudar: outro fator importante é que equipamentos eletrônicos têm um comprimento de onda, conhecida como luz azul, que é nociva para a visão. “Para prevenir problemas, é recomendável o uso de lentes antirreflexo blue, que filtra esse comprimento de onda”, sugere o oftalmologista.