Especialistas e entidades de classe se reúnem para falar sobre digitalização, mudanças no perfil do consumidor e outras características que devem puxar retomada do setor


Créditos: divulgação


Afinal, como solucionar os problemas que estão atravancando a retomada do setor automotivo no Brasil? Há saída para a crise dos chips, que impede a fabricação de veículos novos e faz explodir o valor dos seminovos? Quanto tempo ainda leva para que a digitalização do processo de compra, venda e financiamento se torne rotina para clientes e concessionárias? O valor do combustível continuará interferindo na escolha do modelo? Esses e outros questionamentos importantes sobre o mercado de automóveis no Brasil têm tirado o sono de muita gente, de usuários a investidores. No dia 30 de novembro (terça-feira), a partir das 19h, um evento on-line ao vivo, gratuito e aberto ao público vai reunir especialistas e entidades de classe para debater esses e outros pontos.

A lista de convidados tem o vice-presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave),  Luís Antônio Sebben, o presidente do Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos do Estado do Paraná (Sincodiv-PR), Marcos Ramos, o head da DealerSites, Marcos Pavesi, o vice-presidente da Tecnobank, Luís Otávio Matias, e o gerente de operações e inovação da VIX Logística e do V1, Leonardo Ballestrassi.

“Entender como o mercado de automóveis brasileiro tem funcionado nos últimos anos e o que falta para que ele se recupere da crise causada pela pandemia de covid-19 passa por compreender o papel da tecnologia e da digitalização nessa retomada”, explica Pavesi, head da DealerSites, uma startup especializada na digitalização das concessionárias de automóveis. Para ele, é preciso proporcionar novas formas de negociar, financiar e adquirir veículos no Brasil. Tendências como essas já vêm sendo implementadas com sucesso em outras partes do mundo e devem se solidificar cada vez mais em território nacional.

Por outro lado, o comportamento do consumidor também é determinante para desenhar o cenário que o setor precisará construir nos próximos anos. De acordo com Matias, vice-presidente da Tecnobank, empresa brasileira que atua com tecnologia no setor de financiamento de veículos, a expectativa para 2022 é de que cresça, por exemplo, a procura por serviços de assinatura e aluguel de automóveis. “Essa modalidade já mostra aumento significativo no último ano. Entre abril e maio de 2020, foram 7,7 milhões de acessos a sites que oferecem esse tipo de serviço. Em 2021, esse número subiu para 12 milhões de acessos”, compara.

Nesse sentido, empresas como o V1 devem ganhar ainda mais força no pós-pandemia. O aluguel ou assinatura do veículo, incluindo a escolha do modelo, o pagamento e a liberação para retirada são feitos de modo inteiramente digital, via aplicativo de celular. Segundo Ballestrassi, gerente de operações e inovação do V1, “a ideia é oferecer experiências novas e simplificadas ao usuário, com mais mobilidade e praticidade. Trata-se de garantir conforto e segurança sem tanta burocracia”, explica.

Serviço

Live “2022: Tendências do mercado automotivo”

Terça-feira, 30 de novembro, a partir das 19h

Inscrições gratuitas pelo link: https://debate.centralpress.com.br/

______________________________________

Sobre a DealerSites

A DealerSites é uma startup paranaense que atua na digitalização do mercado automotivo. Criada em 2015, a startup tem mais de 700 clientes em todo o país. O foco da empresa é atuar na experiência do consumidor, investindo em estratégias de marketing digital para gerar maior conversão para as concessionárias. Para isso, desenvolve plataformas digitais 100% voltadas ao setor automotivo, à performance de vendas e a análises e integração de dados, além de realizar  um trabalho de SEO para manter os clientes bem ranqueados nos mecanismos de busca e oferecer indicadores de marketing digital – como métricas de analytics – que ajudam nas estratégias e tomadas de decisões.