Celulose Sustentável
Divulgação Valmet

Encabeçando o segundo lugar em produtividade e primeiro lugar em exportação de celulose no mundo, Brasil possui 82% de árvores plantadas oriundas de reflorestamento comercial

Os números impressionam e revelam soberana atuação no segmento de papel e celulose: 21 milhões de toneladas fabricadas por ano e 15 milhões de toneladas exportadas. O levantamento, feito pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), International Energy Agency (IEA), em contribuição com a Indústria Brasileira de Árvores (IBÁ), indica que o Brasil desponta como referência mundial em técnicas de manejo florestal, investimentos em pesquisa e desenvolvimento em inovações tecnológicas e práticas sustentáveis. Atualmente, o Brasil possui mais de 9 milhões de hectares de árvores plantadas. Destes, 7,4 milhões são oriundos de reflorestamento comercial, o que corresponde a 82% de árvores reflorestadas por meio de plantio de mudas, cultivadas exclusivamente para atender ao plano de manejo sustentável. 

O papel do futuro e o futuro do papel serão cada vez mais sustentáveis. A fibra de celulose, fabricada por meio de florestas certificadas e tecnologias ambientalmente corretas, possui papel fundamental neste futuro. Já é possível vislumbrar uma substituição cada vez mais ampla de materiais provenientes de fontes não renováveis por fibras celulósicas. “As indústrias brasileira e sulamericana apresentam excelente capacidade de adequação às exigências globais de produção sustentável. O processo de fabricação de celulose na América do Sul é reconhecido pelas melhores práticas de manejo florestal do mundo. Produzimos 100% de nossa celulose por meio de florestas sustentáveis e certificadas”, explica o diretor de Celulose e Energia da Valmet América do Sul, Fernando Scucuglia.

Aproveitamento celulósico integral

A celulose é a molécula orgânica mais abundante do planeta e seu potencial vem sendo estudado há anos pela comunidade científica. As indústrias sucroalcooleira, têxtil e papeleira geram quantidade significativa de resíduos orgânicos e inorgânicos e especialistas vêm examinando maneiras para driblar o desperdício desses resíduos para transformá-los em biocombustíveis de segunda geração ou outros produtos de valor, impactando positivamente no meio ambiente. 

“O potencial de geração de produtos em uma fábrica de celulose pode ser muito mais explorado. É importante destacar que, além de celulose, a maioria das fábricas já produzem outro insumo valioso: energia”, explica o diretor. Algumas décadas atrás, uma fábrica de celulose era consumidora de energia. A partir de combustíveis de fontes renováveis provenientes das próprias operações (como o licor negro e a biomassa proveniente de resíduos das operações florestais), e investimentos em tecnologias de alta eficiência energética, o setor passou a ser autossuficiente e foi além: começou a comercializar parte da energia elétrica excedente produzida. O setor de celulose e papel é hoje reconhecido por contribuir com significativo incremento na quantidade de energia renovável na matriz energética brasileira.

Além da celulose e energia, as plantas industriais de celulose produzem outros produtos, tais como: lignina, gás a partir de gaseificação de biomassa, bio-óleo, metanol, ácido sulfúrico e celulose microfibrilada.

Buscando uma linha de produção cada vez mais sustentável, limpa e consciente, o consumo de água para fabricação de celulose, assim como a geração de efluentes, tem diminuído significativamente com o desenvolvimento de equipamentos e processos mais eficientes em termos ambientais. O impacto das emissões gasosas também tem sido reduzido, por meio dos sistemas de abatimento de alta eficiência e aproveitamento destes fluxos para fabricação de outros subprodutos, tais como metanol e ácido sulfúrico.

Despontando como futuras biorrefinarias, as fábricas de celulose poderão processar matérias-primas renováveis e produzir uma gama de produtos de valor agregado para diversos setores. 

Aplicação da celulose além do papel

Dentro do segmento “fibras” há grande potencial de especialização das mesmas como a criação da celulose para produção têxtil, fibras diferenciadas para aplicações especiais (tissue, embalagens, revestimentos), fibras com tonalidades diferentes etc. A confecção de tecidos é a terceira maior indústria manufatureira do mundo e está em rápida ascensão, devido, principalmente, à inserção de novas populações neste mercado consumidor e a “globalização” na forma de se vestir. 

“Somado a isto, há um interesse crescente do consumidor em ter um comportamento socialmente consciente e sustentável. Desta forma, as principais marcas estão se adaptando em consumir outras matérias-primas, entre elas, aquelas à base de celulose e fibras recicladas têm se demonstrado mais promissoras”, complementa Scucuglia. 

Outros materiais como plásticos em geral, fibras de carbono e polímeros, que são amplamente utilizados no dia a dia, já têm sido questionados sobre seu valor em termos de sustentabilidade, e as fibras celulósicas serão uma ótima alternativa de substituição neste futuro, mais próximo do que se imagina.

Prospecções de crescimento sustentável 

A demanda por fibras de celulose foi impulsionada pelos novos hábitos adquiridos durante a pandemia, sobretudo, os relacionados aos cuidados de higiene, compras on-line e serviços de entrega de alimentos. “Podemos afirmar que houve um crescimento meteórico no mercado em termos de vendas de papéis sanitários, também conhecidos por papéis tissue, e de embalagens. Essa forte demanda, associada ao baixo custo de produção que temos hoje em países como Brasil e Chile, principalmente devido à alta eficiência florestal, mantém a América do Sul no foco dos grandes investimentos de fabricação de celulose fibra curta”, comenta Fernando. 

Soma-se à mudança do perfil do consumidor, o fato de os principais produtores de papel e celulose do Hemisfério Sul representarem hoje referências mundiais em termos de manejo florestal, produção sustentável, e condições de solo e clima favoráveis, o que os torna ainda mais atrativos para  mercados e investidores. 

O solo brasileiro é um fator competitivo ímpar: o eucalipto, por exemplo, leva de 5 a 7 anos para ficar pronto para o corte. No Brasil, esse tempo é até três vezes menor que em outros países. “Isso é fundamental, já que as despesas de produção com matéria-prima representam de 60% a 70% dos gastos da indústria”, afirma Scucuglia. Cabe destacar, ainda, que a área de plantio do eucalipto no Brasil não concorre com locais utilizados para a produção de alimentos, problema vivenciado pelos principais concorrentes. “Devido principalmente a estes fatores, o custo da polpa produzida na América do Sul é inferior àquela produzida em outras partes do mundo, como na Europa e nos EUA, então, nossos clientes têm possibilidade de uma maior competitivdade em suas operações”, acrescenta. 

A líder global no fornecimento e desenvolvimento de tecnologias de processo, automação e serviços para o setor está otimista, e estima alta em torno de 20% na capacidade produtiva até 2025. 

 

Sobre a Valmet

A Valmet é uma desenvolvedora e fornecedora líder global de tecnologias de processo, automação e serviços para as indústrias de celulose, papel e energia. Com soluções de automação e de controle de fluxo, a Valmet atende uma base ainda mais ampla de indústrias de processo, visando ser campeã global no atendimento dos seus clientes. Com mais de 17 mil profissionais, a Valmet conta com mais de 220 anos de história industrial e tem como missão converter recursos renováveis em resultados sustentáveis. Em 2022, a empresa Neles Corporation foi incorporada pela Valmet. A Valmet América do Sul opera com unidades em Araucária (PR), Sorocaba (SP), Belo Horizonte (MG), Imperatriz (MA) e Concepción, Antofagasta e Santiago, no Chile.. Mais informações: www.valmet.com.br.